domingo, 10 de março de 2013

Um último choro

Foi passando e percebi que foi tão repentina e do nada a morte do Chorão, que eu nem sequer reparei que gostava tanto do Charlie Brown e do quanto as músicas e a poesia dele fizeram parte da minha adolescência e como ainda hoje falavam tanto comigo.



Separei alguns trechos que sempre que ouço, me tocam e me fazem refletir...

A primeira que eu conheci:


"Eu me flagrei pensando em você
Em tudo que eu queria te dizer
Numa noite especialmente boa
Não há nada mais que a gente possa fazer" (Proibida pra mim)


Quantas vezes não me peguei nisso, pensando em alguém e em tudo que eu queria dizer. Pensando o óbvio mesmo: "Se não eu, quem vai fazer você feliz?". E em tantas épocas diferentes. 

"Procurei me manter afastado
Mas você me conhece eu faço tudo errado, tudo errado" (Só por uma noite)
E conforme fui crescendo, anos passando, as letras foram tendo outros sentidos, como se um novo significado surgisse. Mesmo a tendo ouvido em tantos momentos diferentes...

"Eu não preciso de promessas e acho que você também
Eu não tento ser perfeito e acho que você também
Dias e noites, pensando no que fiz
Eu sou um vencedor, eu lutei pelo o que eu quis
Mas quando não se pode mais mudar tanta coisa errada
Vamos viver nossos sonhos, temos tão pouco tempo" (Como tudo deve ser)

Ele cantava muito a liberdade. O direito de ser como você é de verdade, se orgulhar disso. Mudar o errado, o mau. Mas ser como é. E como tudo deveria ser?
Ninguém precisa de promessas, de ses. As pessoas precisam ser, agir. Parece que não, mas na verdade temos todos, tão pouco tempo. E quando, "ouvindo um som e olhando o mar", se encontrar alguém que realmente seja como tudo deve ser, fazer valer a pena é um dever. 


"Eu não sei fazer poesia... Mas que se foda!!! 
Eu odeio gente chique eu não uso sapato... Mas que se foda!!!
Hoje você pixa quem já te ajudou,
E vem falando mal de quem já te fortaleceu
Mas um homem de verdade não se faz só com palavras
Você perdeu a moral e quem perdeu, perdeu
Se você pisar na bola, aí rapaz você vai ser cobrado
E se você pisar na bola, aí moleque tu vai ser cobrado" (Não uso sapato)

O fato é se sentir bem de ser como é. Não sei dançar, "mas que se foda". Não sei ser menos exagerada, tão comum, tão doce, tão meiga, "mas que se foda"
Desencana. O pior é ser alguém que finge ser o que não é. E aí, um dia, cada um responde pelo que é. Ser como se é tem um preço e apenas cada um pode arcar com isso. O fato é que "eu odeio hipocrisia", "mas que se foda"

O que deveríamos saber é que "Se não quiser ficar só cuide dela (e) (s) bem melhor" (Papo reto)... Mas só aprendemos isso quando a coisa passa.


Simples mesmo é entender que 

"Nem tudo lhe cai bem
É um risco que se assume
O bom é não iludir ninguém" (Vícios e Virtudes)

Tendo isso em mente, fica fácil entender e aceitar as perdas:

"O tempo às vezes é alheio à nossa vontade, mas
Só o que é bom dura tempo o bastante pra se tornar inesquecível" (Vícios e Virtudes)

Penso muito nisso quando lembro das minhas bisavós! Convivi por tão pouco tempo com elas. Mas elas são tão inesquecíveis pra mim. O cheirinho delas, as histórias, os doces, a cocadinhas, o Dom Maracujá, a Scopa de 15, Shampoo Monange... 

Sem tristeza. É mais pra acordar. Pensar na vida. Dizer: "Otário, eu vou te avisar, o teu intelecto é de mosca de bar" (Papo Reto) pra quem mereça ouvir, ou pra nós mesmos, quando mereçamos também.

E a música que me fazia pensar "Hoje eu acordei feliz", era:

"Ela não é
Do tipo de mulher
Que se entrega na primeira
Mas melhora na segunda
E o paraíso é na terceira
Ela tem força
Ela tem sensibilidade
Ela é guerreira
Ela é uma deusa
Ela é mulher de verdade
Ela é daquelas
Que tu gosta na primeira
Se apaixona na segunda
E perde a linha na terceira
Ela é discreta
E cultua bons livros
E ama os animais
Tá ligado, eu sou o bicho" (Ela vai voltar)


Claro, que não sou perfeita assim, mas amo me enxergar em cada verso da música e me sinto o máximo quando percebo que posso não ser tudo isso, mas sou forte, sou guerreira, mulher de verdade, cultuo bons livros e pra arrematar: 

E claro, pra falar de todas as músicas que eu gosto, teria que "Te levar daqui"... Mas acho que dá pra terminar com uma mensagem linda. Que ultimamente, não me sai da cabeça:

"Um homem quando está em paz
Não quer guerra com ninguém
Eu segurei minhas lágrimas
Pois não queria demonstrar a emoção
Já que estava ali só pra observar
E aprender um pouco mais sobre a percepção
Eles dizem que é impossível encontrar o amor
Sem perder a razão
Mas pra quem tem pensamento forte
O impossível é só questão de opinião
E disso os loucos sabem" (Só os loucos sabem)

Aprendi que existem coisas que só os mais desapegados conseguem ver, sentimentos que só quem está de longe sente, que impossíveis são apenas ângulos de visão, pensamento forte não é tão horrível assim, e que não somos nada, nada mesmo, sem nossa família e sem nosso Deus, cuidando da gente de perto! E talvez para saber isso tudo, só beirando a loucura. 

Valeu chorão. 

19 comentários:

  1. Oii Moça, bacana a postagem, eu era fã, me tornei por causa do meu marido que sempre gostou, uma pena essa partida tão precoce, como muitos talentos que vão pelos mesmos motivos! Ele fazia poesia virar musica! Show! Bjooooss

    ResponderExcluir
  2. Lindo post!
    Todo mundo em pelo menos uma fase da vida tinha as músicas do Charlie Brown como trilha sonora. Perda triste.
    beijos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Moça! Confesso que eu não era muito fã da banda, mas acho incrível a maneira como o Chorão conseguia se comunicar e levar sua mensagem aos jovens. No post você transparece seu lado fã, bela homenagem. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. OI Moça,
    que triste a vida destes cantores. Muitos perderam a vida por essa porcaria de drogas. Que vida solitária. Acho que a fama traz muita tristeza e solidão.
    Bjos e tenha um ótimo dia.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Você soube traduzir bem os nossos sentimentos, os de quem encontrou nas músicas dele motivações, identificações.

    Texto emocionante Moça.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Que a morte dele não seja em vão.
    Ótimo post.

    ResponderExcluir
  11. O post está muitissimo bem, mas eu estou em choque; Charkie Briwn morreu?! Quando e como?

    Era (ou foi) genro de Chico Buarque,não estou enganada, pois não?

    Excelente seman para si

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O genro do Chico Buarque é o Carlinhos Brown! Com ele está tudo bem!

      Excluir
  12. ERRATA:
    -Charlie Brown

    -Semana

    Um grande abraço, linda

    ResponderExcluir
  13. que triste esse texto!
    eu moro em Santos desde pequena, imagina que a cidade tava super de luto!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. BELA HOMENAGEM! Realmente o Chorão por incrível que pareça sente-se agora que era UNANIMIDADE. Uma pena que se tenha ido tão cedo.

    Oremos por ele!

    O Sibarita

    ResponderExcluir
  15. Acho que o chorão fez parte da adolescência de todo mundo flor, o poeta do rock. Letras de músicas incríveis.
    Bela homenagem!

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Uma pena mesmo a morte do Chorão, tão jovem e com tantos fãs...

    ResponderExcluir
  17. Querida amiga

    Há nas palavras
    que nos fazem sentir
    o perfume da vida,
    o milagre da eternidade.

    Que os sonhos
    encham de luzes
    os teus caminhos.

    ResponderExcluir
  18. Enquanto isso o rock brasileiro
    vai ficando cada vez mais chato.

    ResponderExcluir